Error. Page cannot be displayed. Please contact your service provider for more details. (8)

Hospital Infantil Peter Pan
  21.01.2018.

IMG-20180120-WA0042
                                                   Uma dupla dessas, bixo……..

Criança é um ser que acredita. Que carrega a magia dentro de si. Que fantasia onde aparentemente não tem onde fantasiar. Que realmente se surpreende, a ponto de falar “ohhh”, quando uns palhaços fingem adivinhar seu nome, que curiosamente está exposto logo acima do seu leito.

Palhaço é um ser que acredita. Que paquera aquela mãe triste e a vê sorrir e gargalhar, para depois se engasgar com seu próprio riso. E ao invés de tentar salvar a mãe (que convenhamos não precisava ser salva), o palhaço, na sua corda bamba, opta por continuar a brincadeira, sem perder a piada, solto como um pássaro no céu.

Criança é um ser que carrega candura. Que tenta lhe ensinar a paquerar da forma mais engraçada possível, obviamente sem sucesso.

Palhaço é um ser que carrega candura, quando ouve aquela criança pedindo para ele voltar e volta no fim e vê um sorriso tão gostoso que sente que aquilo tudo valeu a pena.

Criança é sincera, principalmente quando acusa que a barriga do palhaço está grande e diz que ele precisa malhar e ainda tira onda, apontando o dedo e olhando para a mãe, que se diverte com toda aquela situação, quando antes estava macambúzia e sem querer conversar.

Palhaço é sincero. Fala do narigão do amigo. Do pé de chulé da criança que o chamou de buchão e da “suvaqueira” da mãe que estava há quase 12 horas sem banhar. E passa incólume, pois tem permissão. A permissão que o nariz dá.

Criança é uma transformadora. Pois imagina ali uma selva. Um jacaré embaixo do lençol. Todo lugar menos o hospital. Voando livre em seu pensamento. Para estar jogando bola como no desenho afixado do lado da sua cama ou com as 20 namoradas que alegou ter. Ou mesmo em sua nave espacial. Longe de qualquer problema. De qualquer dor.

Palhaço é um transformador. Quando faz, quase que magicamente, uma cueca velha sair debaixo do cobertor e arranca aquele sorriso difícil. Quando vê um quarto de hospital normal como um palco, um desfile e faz, certamente, a pior apresentação de moda dos últimos tempos.

Criança ensina que o bom mesmo é ser palhaço. Para viver a vida mais leve. Para viver o momento, por mais que ele seja breve. Porque o importante mesmo é viver. Porque quem vive pode lutar. E quem luta não está morto.

Palhaço ensina que não se deve deixar de ser criança. Que a rotina não é suficiente para lhe derrubar. Porque sempre existe um truque. E uma hora ou outra, encontra-se um assento na janela do trem que a vida nos cede para viver e sonhar.

Escrito por Márcio Vandré
Márcio Vandré é voluntário da ONG desde 2009 e quando ninguém está observando, ele se disfarça de palhaço Poeta.

 

Comentários

comentário(s)