Sábado Risonho no HIAS

14.05.2014

Por Solon Neto

Nesse sábado tivemos mais um lindo ato no Hospital Infantil Albert Sabin. E o que não faltou foram sorrisos que sempre nos emocionam com sua confiança, Sensibilidade e docilidade.

Momentos cheios de sentimentos de amor e gratidão vindos do coração.

Nada melhor que um sorriso que vem direto da Alma, que nos transmitem as mais belas sensações, que nos apaixonam por esse trabalho e nos acalma.

E essa alegria é o nosso pagamento, é que nos move e nos alimenta. Com ou sem dentes, com ou sem lágrimas, com ou sem uma doce risada, com ou sem palavras.

O sorriso sempre será a melhor saída, sabemos o tamanho do seu poder, que cura, transforma e inunda nossa vida de felicidade.

Agradecemos a todos os voluntários que se disponibilizaram nesse fim de semana, muitos renunciaram os momentos em família e passaram o dia das mães no abrigo de idosos e no IJF Obrigado por acreditar na causa, vocês sabem a importância desse trabalho e não tenho dúvida que a bençãos de Deus será constante na vida de cada um.

Muitos sorrisos e muita luz para nós!

Uma deliciosa tarde de visita na Unidade de Abrigo

Por Solon Neto

10335799_739375252750687_1998260920_n

E nesse sábado, pudemos ter o prazer de passar mais uma deliciosa tarde na companhia dos nossos queridos amigos residentes da Unidade de Abrigo. Um lugar que a principio nos faz ter um sentimento de tristeza, mas basta ver os sorrisos e ouvir as palavras de agradecimento e carinho dos idosos, que sentimos as mais lindas e gostosas sensações do mundo, a sensação de contribuir com um sorriso e de saber que estamos fazendo o bem para aqueles que estão na fase da vida mais frágil do ser humano, a velhice. Infelizmente, todos os dias somos surpreendidos com notícias da grave epidemia que assola nosso país, o abandono de pessoas incapazes, crianças e idosos. Não há como não se espantar ou indignar-se quando vimos esses idosos vivendo em condições precárias ou sub-humanas por negligência e descaso de familiares diretos, os filhos em especial. Isto se torna muito mais grave quando constatamos que são justamente filhos e filhas com plenas condições de oferecer cuidados dignos para os próprios pais. Parece que estes parentes que abandonam os próprios pais e avós , têm a juventude eterna, não serão idosos amanhã. Continuamos com nosso humilde trabalho, na esperança que se multiplique essas ações e possamos de alguma forma amenizar sofrimentos, desfazer tristezas, evitar depressões e fazer reinar o sentimento protetor e a demonstração do amor verdadeiro.

Relato de um mágico Ato no IJF

ijfTudo começou as 00:00 do dia 29/03. Eu Dra. Soneca Peteleca que sofro de uma doença rara decorrente ao sono, descobri que iria sozinha para o mundo encantado do IJF, pois minhas doce amiga Babalú adoeceu, e as simpáticas duplicadas Caramelina Serestina e Kariquita não me acompanhariam, então, toda vez que sofro emoções fortes entro em sono profundo, tive um xílico nervoso e dormi. Quando finalmente despertei do meu sono profundo com o sussurro do meu comunicador intergaláctico, que trouxe a adorável noticia que o meu querido amido Dr. Sem Nome iria me acompanhar para essa incrível aventura.
Peguei a condução encantada no reino da Cornéolândia, cheguei e o Dr. Sem Nome me aguardava ansioso, pois sabia que estrearíamos nossa dupla de doutores cantores, falamos com os guardiões da porta mágica que autorizaram nossa entrada, tivemos nosso momento antes de explorar o lugar, onde discutimos a importância de ser um voluntário, e por qual motivo realmente fizemos essa escolha e ficamos gratos pela oportunidade que a vida nos deu, nosso encontro com ONG Risonhos e tudo que mudou em nossas vidas, presenteei meu amigo com uma jóia comestível de ouro branco. Criamos a coragem passamos as regras de sobrevivência e partimos para nossa aventura.
Passamos pela porta mágica encontramos na primeira passagem duas moças simpática que possuíam comunicadores intergalácticos, guardamos nossas coisas e elas informaram que teríamos acesso liberado pelas passagens secretas e que aproveitássemos para fazer as graça, peguei meu instrumento mágico e seguimos pelas escadas e corredores, ao chegar em um corredor chegamos A TERRA DO NUNCA, e estava trancado os portões, mas uma simpática senhora mascarada nos deixou entrar, lavamos nossas mãos em uma fonte de agua doce, perguntei a guardiã do local se existia algo que não poderíamos fazer, porém ela disse que poderíamos nos divertir a vontade.
Os pequenos curiosos saíram correndo em nossa direção então colocamos nosso talento pra fora, uma enorme plateia se formou na porta da nossa primeira sala encantada, quase todas aquelas que não cresceram e também alguns que não tomaram a fórmula da juventude, Me apresentei cantando e usei muita música para contar histórias, meu cavaquinho chorou de emoção enquanto o Dr. Sem Nome reproduzia o funk encantado, dançava e cantava. Uma tangerina gigante encantou meu coração, enquanto uma doce Lívia sabia cantar todas as minhas músicas. Dr. Sem Nome me encantou com sua compra de ideias, e em como envolveu todas as pessoas, que ficaram felizes demais com nossa presença.
Mas como dizem que tudo que é bom dura pouco, quando olhamos parece que o tempo voou, e tivemos que nos despedir, saímos com vontade de ficar. Ao chegar na primeira porta mágica vimos que esse reino estava faltando água, e que um lugar chamado de centro cirúrgico estava faltando energia, e percebemos que esse reino precisa de muitos cuidados e atenção.
Despedimo-nos com o gostinho de quero mais, porém, tudo foi lapidado na pedra da memoria do coração, onde jamais apagaremos da memória, eu Soneca e meu companheiro Dr. Sem Nome, montaram em seu cavalo alado e galoparam juntos para o amanhã.

(Emanuelle  Rodrigues)

27 de Março – Dia do Circo!


circo

No dia 27 de março, comemora-se o dia Nacional do Circo e internacional do Teatro.

Uma data super importante para todos nós da ONG Risonhos, já que usamos a imagem lúdica do Palhaço, nos tornando apaixonados pelo universo do circo e do teatro. ”

circo

Aos profissionais das lonas, trupes e grupos que transformam proeza e ousadia em espetáculo e aos que atuam no teatro, nesta linda arte considerada única, nosso parabéns!

Aproveitando a ocasião, gostaríamos de divulgar um evento que tem como intuito criar uma rede cada vez maior de pessoas que queiram dissipar a alegria , a energia positiva, a tolerância, a diversidade e a paz.

 Estamos falando da Palhaceata 2014!

A Palhaceata é uma manifestação pública de artistas, palhaços, atores , iniciantes , amadores, aberta a quem quiser participar sem qualquer acepção religiosa ou política. Que acontece anualmente por volta do dia 27 de março, que é o dia Nacional do Circo e internacional do Teatro.

CONVIDAMOS A TODOS OS PALHAÇOS, ARTISTAS E SIMPATIZANTES PARA CELEBRAR CONOSCO ESSA LINDA DATA!

 “Vamos passear juntos dia 29, cantando, brincando e celebrando a paz “

Sábado, 29 de março

Concentração: 16h (EMBAIXO DO PLANETÁRIO )

Aquecimento: 16:45

Abertura: 17h

Acontece, também, em Fortaleza o “Festival de Circo do Ceará”

De 24 a 29 de março de 2014, na Praça Verde do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, Praça do Ferreira, Passeio Público, Café Teatro das Marias e Sebrae, 22 grupos da arte circense do Ceará, Alagoas e Argentina se apresentam numa programação gratuita, que inclui oficinas, minicursos e encontros.

PROGRAMAÇÃO COMPLETA NO SITE:
www.festivaldecircodoceara.com

8351_443506415724794_2016058162_n

Entenda o porque hoje se comemora dia do circo, CLIQUE AQUI.

A dor do abandono

osteoporose-maos-idosos-450x338-okEra uma manhã de sol quente e céu azul quando o humilde caixão, contendo um corpo sem vida, foi baixado à sepultura.

De quem se trata? Quase ninguém sabe.

Muita gente acompanhando o féretro? Não. Apenas umas poucas pessoas.

Ninguém chora. Ninguém sentirá a falta dela. Ninguém para dizer adeus ou até breve.

Logo depois que o corpo desocupou o quarto singelo do asilo, onde aquela mulher havia passado boa parte da sua vida, a moça responsável pela limpeza encontrou em uma gaveta ao lado da cama, algumas anotações.

Eram anotações sobre a dor…

Sobre a dor que alguém sentiu por ter sido abandonada pela família num lar para idosos…

Talvez o sofrimento fosse muito maior, mas as palavras só permitem extravasar uma parte desse sentimento, grafado em algumas frases:

Onde andarão meus filhos?

Aquelas crianças ridentes que embalei em meu colo, alimentei com meu leite, cuidei com tanto desvelo, onde estarão?

Estarão tão ocupadas, talvez, que não possam me visitar, ao menos para dizer “Olá, mamãe”?

Ah! Se eles soubessem como é triste sentir a dor do abandono… A mais deprimente solidão…

Se ao menos eu pudesse andar… Mas dependo das mãos generosas dessas moças que me levam todos os dias para tomar sol no jardim… Jardim que já conheço como a palma da minha mão.

Os anos passam e meus filhos não entram por aquela porta, de braços abertos, para me envolver com carinho…

Os dias passam… E com eles a esperança se vai…

No começo, a esperança me alimentava, ou eu a alimentava, não sei…

Mas, agora… Como esquecer que fui esquecida?

Como engolir esse nó que teima em ficar em minha garganta, dia após dia?

Todas as lágrimas que chorei não foram suficientes para desfazê-lo.

Sinto que o crepúsculo desta existência se aproxima…

Queria saber dos meus filhos…

Dos meus netos…

Será que ao menos se lembram de mim?

A esperança, agora, parece estar atrelada aos minutos… que a arrastam sem misericórdia… para longe de mim.

Às vezes, em meus sonhos, vejo um lindo jardim…

É um jardim diferente, que transcende os muros deste albergue e se abre em caminhos floridos que levam a outra realidade, onde braços afetuosos me esperam com amor e alegria…

Mas, quando eu acordo, é a minha realidade que eu vejo… Que eu vivo… Que eu sinto…

Um dia alguém disse que a vida não se acaba num túmulo escuro e silencioso. E Esse Alguém voltou para provar isso, mesmo depois de ter sido crucificado e sepultado…

E essa é a única esperança que me resta…

Sinto que a minha hora está chegando…

Depois que eu partir, gostaria que alguém encontrasse essas minhas anotações e as divulgasse.

E que elas pudessem tocar os corações dos filhos que internam seus pais em asilos, e jamais os visitam…

Que eles possam saber um pouco sobre a dor de alguém que sente o que é ser abandonado…

*   *   *

A data assinalada ao final da última anotação, era a data em que aquela mãe, esquecida e só, partiu para outra realidade.

Talvez tenha seguido para aquele jardim dos seus sonhos, onde jovens afetuosos e gentis a conduzem pelos caminhos floridos, como filhos dedicados, diferentes daqueles que um dia ela embalou nos braços, enquanto estava na Terra.

Redação do Momento Espírita.
Disponível no livro Momento Espírita, v. 3, ed. Fep.
Em 28.6.2013.

Vamos ajudar o Lar Torres de Melo

Nessa semana tivemos a triste notícia do assalto ao Lar Torres de Melo, um abrigo de idosos que completa 100 anos de fundação e que já tivemos o prazer de visitá-los várias vezes, nos deixando indignados por tamanha covardia desses criminosos.

A casa filantrópica tem muitas dificuldades em se manter e não merecia o ocorrido, por isso pedimos a todos que acompanham nosso trabalho e sabem o quanto é necessária a nossa ajuda.

Você pode contribuir cominstituição com doação de alimentos como leite, aveia, café, Ensure, Sustagem, açúcar, biscoitos água e sal, material para higiene pessoal e ambiental.

Os interessados em ajudar também podem ligar para os números 3206.6750 ou 3206.6751 ou depositar nas contas:

– Banco do Brasil S.A: Ag. 1369-2 CC 105.915-7
– Caixa Econômica Federal Ag. 0920 CC 1018-5.

ONG Risonhos inicia a pré-venda de sua nova coleção de camisas

1535390_773134459364377_376058424_n

A ONG Risonhos acaba de lançar sua nova coleção de camisas com novas estampas belíssimas! Ainda estamos no período de pré-venda. Para comprar, basta acessar este link. E após efetuar o pagamento, envie o comprovante por e-mail.

O valor de R$ 20,00 na compra de qualquer uma das camisas  fará com que a ONG Risonhos continue fazendo o maravilhoso trabalho de utilizamos da figura lúdica de palhaços amadores, realizando atividades recreativas, educativas ou artísticas e distribuindo sorrisos entre crianças e idosos. A Risoterapia acredita que o riso é capaz atuar como um complemento na conquista do bem estar físico e psíquico dos seres humanos.

Como não temos patrocínio para a confecção das camisetas, não temos como ter estoque. Iremos receber pedidos nesse período e no dia 24 fazer o pedido de todos que já tenham efetuado o pagamento. Assim que recebermos uma data do fornecedor, marcaremos um dia com todos que compraram para a entrega, possivelmente na segunda semana de abril. Pedimos a compreensão de todos. Obrigada por ajudar nossa causa. Adquira já a sua camiseta!

Dia da Mulher no Abrigo de Idosos

Por Solon Neto

1794582_711496005538612_1102154817_n

Ontem foi dia de conhecer incríveis histórias de superação e garra, ouvir conselhos de quem aprendeu muito com o tempo e ainda se divertir com uma dança ou uma boa piada. Fomos a mais um dia de visita no abrigo de idosos, onde pudemos conversar, jogar e abraçar aqueles que deveriam estar vivendo a melhor idade.

E ontem também comemoramos o Dia Internacional da Mulher e pudemos parabenizar aquelas idosas, que deveriam estar vivendo em meio aos cuidados de seus familiares, que deveriam estar paparicando seus netos e bisnetos, vê-los crescendo e conquistando o mundo. Triste saber que estão vivendo outra realidade, que foram esquecidas e não estão juntas com sua família nesse dia, que deveria ser tão especial.

Infelizmente, vivemos em uma sociedade que valoriza a juventude, cultua a beleza e enfatiza a importância do homem, e que, consequentemente, discrimina a mulher, especialmente a mulher idosa. Que possamos dar mais atenção à situação dessas mulheres, a fim de corrigir injustiças na vida delas, de forma que, envelhecer seja algo digno, tanto para homens quanto para mulheres.

Agradecemos a todos os voluntários e visitantes, que puderam estar conosco nessa data, transmitindo paz, amor e alegria aos nossos queridos idosos.

“O palhaço é a catarse do ser humano” – Entrevista com Renato Fontenelle Moraes

renato

Todos já devem ter percebido em alguns dos comerciais, peças publicitárias que vemos na televisão cearense e até mesmo no filme Cine Holliúdy, a presença do simpático ator e publicitário Renato Fontenelle Moraes. Para quem não sabe, Renato já foi voluntário da ONG Risonhos desde o início em 2008, quando ainda era conhecida como Projeto Vagalumes. O Projeto Vagalumes era um projeto social que foi fundado por Silvia Maccari e outros ex-membros do projeto Carejangrejo.

Renato ainda contou que, por durante três anos atuou com o seu clown chamado Verde nos atos da ONG Risonhos no IJF, no Hospital Infantil Albert Sabin, na Unidade de Abrigo e, inicialmente, no Lar Torres de Melo.

ONG Risonhos: Quando você atuava, o que fazia para ter um diferencial?

Renato Fontenelle Moraes: O meu clown era o Verde. Eu já tinha palhaço antes de entrar na ONG [Risonhos], já era ator antes de entrar na ONG. Então a Risonhos foi mais uma coisa de potencializar o meu palhaço. Nós fizemos cursos de qualificação de palhaços. Acabou melhorando meu palhaço. Hoje em dia ainda trabalho com ele em ações.

ONG Risonhos: Como um dos primeiros voluntários da ONG Risonhos, o que a permanência na instituição te influenciou na hora de atuar?

Renato: O palhaço é a catarse do ser humano. Para você chegar num nível de ser um palhaço de verdade, você tem de passar por todos os processos: a alegria, a tristeza… Para você se encontrar, por que o palhaço é o ridículo de todo mundo. O ridículo é um dos sentimentos mais difíceis de fazer. Muito junto com a tristeza, que é um dos sentimentos mais carregados. E é você não se envergonhar e não ficar triste por ser ridículo. A ONG me ajudou no que se pode e o que não se pode fazer em um ambiente hospitalar, por exemplo.

ONG Risonhos: No que o trabalho voluntário te influenciou no cotidiano?

Renato: Eu acho que todo mundo deve passar por um trabalho voluntário. Saber como servir, saber como doar um tempo, prestar um serviço e receber em troca o sorriso de uma criança, que pede para não ir embora; o idoso que pede para contar sobre a vida dele, que quer dividir com a gente… Que chora, que ri, que fica feliz quando a gente vai, que fica triste quando a gente vai embora. A troca agrega muito. Pelo menos agregou pra mim como ator e publicitário. Há uma troca “gratuita”.

ONG Risonhos: Do que você sente falta da época que era voluntário?

Renato: O hospital. Eu sinto muita faltar de estar em um ambiente hospitalar, de usar o Verde com frequência. Eu sinto falta do Verde como o meu companheiro, além do convívio com a galera da ONG. Hoje são meus amigos, mas não são mais meus colegas de trabalho.

Neste Carnaval, doe leite humano e ajude a salvar vidas

banner_leite_hias_site_fev

Garantir a recuperação das crianças internadas é uma preocupação do Hospital Infantil Albert Sabin (Hias), unidade da Secretaria de Saúde do Estado (Sesa). Como parte do tratamento, a qualidade da alimentação é de fundamental importância para salvar a vida dos bebês que dependem do Banco de Leite Humano do Hias. No início do ano, é comum o número de doações diminuir por conta das férias e dos feriados prolongados, como o Carnaval, por exemplo. Atualmente, o Banco de Leite do Albert Sabin conta com 20 doadoras voluntárias, quando precisaria de no mínimo 40 doadoras para funcionar com uma margem de segurança. O estoque atual está baixo, com 6 litros de leite cru e 10 litros de leite pasteurizado, o suficiente para atender a demanda em apenas 15 dias.

O Hospital Albert Sabin tem atualmente 10 bebês prematuros, de baixo peso, internados na UTI Neonatal que consomem cerca de 2,5 litros de leite humano por dia para sobreviver. De acordo com a pediatra e coordenadora do Banco de Leite do Hias, Erandy Sousa, o leite materno contribui para que a recuperação do bebê que está na UTI seja mais rápida. “O leite materno é de grande importância na recuperação dessas crianças pois ele é o alimento mais adequado, contendo nutrientes e anticorpos essenciais para a saúde delas”, afirma.

O pequeno João Gabriel, de 1 mês e 18 dias, está se recuperando de uma cirurgia e ainda tem a sucção fraca, ele não consegue mamar no peito da mãe e por isso depende exclusivamente do banco de leite. Gabriel é um bebê prematuro que nasceu com gastrosquise, uma afecção congênita em que ocorre exteriorização das vísceras através de um defeito na parede abdominal (ou seja, intestino exposto). O leite humano, oriundo do Banco de Leite do Hias, tem sido um elemento essencial para a estabilização da saúde dele durante o pós-operatório. A mãe, Ana Cláudia Ramos de Sousa agradece o suporte dado pelos profissionais e doadoras voluntárias do banco de leite. “É muito importante para o meu filho. Ele precisa de leite, mas ainda não consegue mamar”, diz.

Doe pelo 0800-2804169

Além da captação do leite, a equipe multidisciplinar do Banco de Leite Humano do Albert Sabin, formada por pediatra, enfermeiro, auxiliar de enfermagem, nutricionista e farmacêutico, é treinada e capacitada para executar atividades de atendimento às mães com dificuldades para amamentar. Os profissionais do Banco de Leite estão intensificando o trabalho de captação de novas doadoras neste Carnaval. Através do 0800-2804169, ligação gratuita, as mães interessadas em doar recebem orientações sobre a retirada do leite e os cuidados com o acondicionamento. Para estocar, podem ser utilizados vidros de maionese ou café solúvel esterilizados. O leite deve ser conservado no congelador por até 10 dias. A coleta do leite doado é feita gratuitamente em domicílio.

Benefícios para a mãe e para o bebê

Na amamentação, os bebês recebem os anticorpos da mãe para proteção contra infecções, principalmente diarreia e pneumonia. O leite materno diminui ainda alergias e obesidade. Além disso, está relacionado ao desenvolvimento da inteligência do bebê. A amamentar também é importante para a saúde da mulher. O sangramento após o parto é menor, assim como os riscos de desenvolver anemia. A mulher também corre menos riscos de câncer de mama, ovário, e ainda de diabetes e infarto. Além da mulher, toda a rede familiar pode apoiar a amamentação.

Serviço:
Banco de Leite do Hospital Infantil Albert Sabin
Atendimento: Segunda à sexta-feira, de 7h às 17h
Rua Tertuliano Sales, 544-B – Vila União
Ligação gratuita: 0800 280 4169

Fonte: Portal Hospital Infantil Albert Sabin